Record/Play

Julho 3, 2014 15:18
Mais curtas
670
Views
   

Jesse Atlas apresenta uma curta sci-fi sem aliens ou armas futurísticas, mas com uma belíssima simplicidade inteligente e emocionante.

Um leitor de cassetes é acidentalmente alterado e a pequena cassete com a última mensagem de uma mulher para o seu viúvo torna-se num túnel de transporte para esse fatal instante no tempo. A partir daí o objetivo é simples: salvar a sua amada. Alterar o curso do passado parecia à partida mais fácil. No entanto, a causalidade dos acontecimento é inimiga da personagem principal e leva-a a tomar medidas drásticas. O conceito base pode pedir do espectador um alto grau de “suspension of disbelief”, mas assim que se passa essa etapa e se aceita o mundo que nos é apresentado, tudo flui perfeitamente.

Mais prolífero no mundo dos documentários, Jesse Atlas tem em Record/Play uma das duas curtas de ficção que realizou. Um currículo curto que pode aumentar a breve prazo graças a esta bem executada obra. Jesse está de momento a desenvolver uma longa-metragem com base na sua curta que planeia pegar na premissa base da curta e produzir uma história muito mais abrangente.

Esta curta-metragem norte-americana foi premiada com o Audience Award no New York City Short Film Festival de 2012, juntando a esse prémio duas nomeações: a primeira para o prémio de Outstanding Independent Short Film no Black Reel Awards de 2013 e a segunda para o Short Film Grand Jury Prize no Sundance Film Festival de 2013.

Sobre o autor do artigo
- Licenciado em Engenharia Informática e aluno do Mestrado em Engenharia Informática na Universidade do Minho com um grande interesse por histórias, independentemente do formato.

Comentários

  1. Paulo Costa diz:

    Gosto tanto!